Últimas notícias »

SINDICATO  DOS  EMPREGADOS
EM TURISMO E HOSPITALIDADE
SÃO JOSÉ DO RIO PRETO E REGIÃO

entre em contato conosco
17 3203.0077
Brasil e Mundo 29/8/2017 8:53:32 » Por Atualizado em 30/8/2017 12:7h

Com pequenas atitudes é possível renovar e construir novas florestas

Sergio Paranhos se orgulha do projeto SETH-REFLORESTA



 

Com os desmatamentos desenfreados, a coisa esta tão difícil que flagramos até o pica pau tentando perfurar uma coluna de tijolos na área do clube

 

Enquanto o governo federal pensa em destruir e acabar com a nossa Floresta Amazônica, um dos maiores patrimônios dos cidadãos brasileiros, e que é uma reserva rica em vários e vários recursos, há muito tempo a floresta Amazônica é reconhecida como um repositório de serviços ecológicos, não só para os povos indígenas e as comunidades locais, mas também para o restante do mundo. Além disso, de todas as florestas tropicais do mundo, a Amazônia é a única que ainda está conservada, em termos de tamanho e diversidade.

Na contramão do que o governo vem fazendo com a nossa floresta amazônica, o Presidente do Sindicato dos Empregados em Turismo e Hospitalidade de São José do Rio Preto e Região – SETH, Sergio Paranhos está mostrando para todos que é possível ter atitudes diferente e através de pequenas ações é possível reflorestar, conservar ou até formar novas e pequenas florestas.

Com uma iniciativa realizada em julho de dois mil e quatorze, ele, Sergio Paranhos em parceria com a secretária do meio ambiente na época realizou o plantio de aproximadamente seis mil mudas de arvores no Clube de Campo do Sindicato, mudas estas que já se transformaram em arvores médias e que nunca mais poderão ser desmatadas, cortadas e terá que ser protegida para sempre.

Com isso já presenciamos vários animais, aves e outros seres vivos que antes não estavam no local mas agora já estão voltando ao seu antigo lar, é com orgulho que este projeto saiu do papel e conseguimos realiza-lo com excelência, podemos hoje refletir que a iniciativa foi um total sucesso, muitos hoje só pensam em destruir nossas ricas florestas, nós representantes e autoridades do SETH pensamos em conservar, formar e contribuir com a natureza da melhor forma possível, nossas florestas na verdade não são nossas e sim da mãe natureza, e ela com certeza não autorizaria os desmatamentos, destruição e a farra que estão querendo fazer, diz o mandatário do SETH Sergio Paranhos.

Presidente do SETH Sergio Paranhos mostra o resultado das mudas que foram plantadas no espaço e que já se transformaram em árvores

 

Com pequenas ações se chega ao longe e daqui muitos anos as pessoas vão olhar para este nosso projeto que é o “SETH – REFLORESTA” e vão se orgulhar de termos um espaço deste dentro de nossa cidade, já que vários condomínios já estão próximos a área que fica o Clube de Campo SETH, finaliza Sergio Paranhos.

Saiba por que a floresta amazônica é tão importante para o nosso meio ambiente e porque devemos conserva-la:

A Floresta Amazônica é abundante em vários recursos e funciona como um grande reator para o equilíbrio da estabilidade ambiental do planeta. Com o desmatamento e queimadas na região, as árvores liberam em torno de 200 milhões de toneladas de carbono por ano. Seus vegetais são responsáveis por liberar aproximadamente sete trilhões de toneladas de água para a atmosfera, no processo de evapotranspiração e o Rio Amazonas desagua 20% de água doce no Oceano Atlântico a cada ano.

Assim em critérios ambientais, sua importância deve-se aos seguintes fatores:

- variedade de espécies;

- fitoterapia;

- água doce, responsável pelo controle hídrico e climático;

- estoque de carbono;

- capacidade de transferir calor e vapor para outras regiões,etc.

Já a nível econômico contribui para:

·         Diversidade de recursos vegetais, minerais, animais;

·         Agropecuária;

·         Hidrelétrica, etc.

Recursos Hídricos da Amazônia

A utilização desses recursos é ressaltada na Amazônia, tanto pela pesca e navegação, quanto pelo uso da água potável, lazer, etc. As águas dos rios, como os igapós são pobres em elementos nutritivos, porém, mesmo assim são o habitat de diferentes espécies de peixes e mamíferos aquáticos.

Isto acontece porque a cada ano, durante a época chuvosa, as margens dos rios inundam, dando origem aos igapós, ou seja, imensas florestas parcialmente submersas. Nesse período, além dos nutrientes do próprio rio, a serrapilheira (folhas secas, ramos e resíduos vegetais) é arrastada para o fundo, assim como grandes quantidades de sementes e frutos que alimentam os peixes. O equilíbrio desses ecossistemas é sensível, e a manutenção de florestas nas margens dos rios é essencial para evitar assoreamento, erosão. Além disso, como citado acima, contribui para o transporte de alimentos para os organismos aquáticos.

Biotecnologia

É uma técnica utilizada pela Indústria Farmacêutica, com o uso de agentes biológicos (organismos, células, moléculas, etc), para a produção de bens e serviços, como a criação de alimentos transgênicos, essências, substâncias que combatem pragas, produtos farmacológicos, além de novas fontes de recursos.

Extrativismo

São coletas de produtos naturais e uma forma sustentável de extrair produtos da floresta sem afetar o meio. Os principais produtos extraídos da floresta são: óleos, sementes, frutos, peixes, etc. As populações indígenas foram as primeiras a utilizar os recursos de forma consciente.

Estima-se que hoje, cerca de cinco milhões de famílias sobrevivem da Floresta Amazônica com o extrativismo, mas nem sempre foi assim. Na segunda metade do século XIX, quando começou o ciclo da borracha na Amazônia, o extrativismo era feito de forma desenfreada, os seringueiros (trabalhadores nordestinos que fugiam da seca) coletavam a borracha que era enviada pelos seringalistas para os Estados Unidos e Europa. Além desta atividade ser uma das mais importantes na Amazônia e ter contribuído para a expansão de cidades (como Manaus e Belém), pouco beneficiou os trabalhadores que continuavam vivendo na pobreza. Após a crise da borracha, em 1920, o látex sofreu disputas, levando muitos investidores a falência.

Barreira de Incêndios

Como a vegetação da floresta é alta, densa e elas possuem a capacidade de continuarem sempre verdes, mesmo na seca, isso faz com que elas funcionem como barreira para a prevenção de incêndios florestais, não permitindo que o fogo se espalhe. Com o desmatamento, essas barreiras são destruídas e substituídas por campos inflamáveis, aumentando o risco de incêndio.

Populações Indígenas e Diversidade Cultural

O conjunto de povos indígenas ou de outras culturas (seringueiros, castanheiros, ribeirinhos, etc) contribui para uma riqueza cultural que poucos conhecem. Eles aprenderam a utilizar os recursos, devido a sua longa experiência dentro da floresta e se tornaram importantes para a ciência e tecnologia moderna. Na Amazônia legal (área que engloba nove estados brasileiros pertencentes a bacia amazônica. O termo foi instituído pelo governo para fins de planejamento com relação ao desenvolvimento social e econômico da região) encontramos 69% da população indígena, sendo que 55% sobrevive diretamente da Floresta.

Serviços Ecológicos

A floresta ajuda a garantir a qualidade dos estoques de água doce, do solo e a proteção da diversidade de espécies, assim como, o ciclo da água facilitando atividades, como a agricultura.

Agricultura Tradicional na Amazônica

Famílias sobrevivem da agricultura tradicional, e esta, é pobre de recursos tecnológicos. Essas famílias utilizam nutrientes vindos da floresta. A concentração e recuperação de áreas abandonadas e a intensificação de uma agricultura correta poderia retirar o impacto do homem sobre as florestas.

Ecoturismo na Amazônia

Cercada de paraísos naturais e povos diversificados, as características da Floresta Amazônica podem beneficiar a economia interna e externa.

O ecoturismo é visto como uma forma de geração de empregos diretos e indiretos para a população local, mantendo a fauna e a flora preservada, capaz de diminuir os impactos ambientais da Amazônia.

Mudanças Climáticas

Como as florestas armazenam grandes estoques de carbono, a partir do momento em que ela é desmatada ou queimada, parte do CO² é liberado para a atmosfera, fato que contribui para o aumento do efeito estufa.

Exploração Madeireira

A exploração excessiva gera desmatamento. Já a racional não esgota o recurso, pois reduz desperdícios, gera mais empregos, tem certificação florestal e ainda traz benefícios ao ambiente.

Pecuária

Ao mesmo tempo que a pecuária é capaz de fortalecer o desenvolvimento econômico da região, ela também pode trazer sérios danos ambientais. Ela é responsável por 80% do desmatamento.

Como ainda hoje esta atividade é realizada baseada no desmatamento florestal, se não há uma fiscalização por parte do governo haverá prejuízos ao ecossistema.

Com todos esses fatores, vemos que o ecossistema amazônico é complexo, frágil e interligado a vários elementos tornando a importância do equilíbrio do bioma cada vez mais acentuada.

 

Sergio Paranhos inova e mostra as pessoas como é possível renovar áreas com reflorestamento e assim mostrando também as autoridades políticas que é possível conservar o meio ambiente

 

 

 

 

 

 

 

Jornalista Responsável: Fabiano Gonzalo Guiguet

MTB: 60325 

Assessoria de Imprensa SETH


NOTÍCIAS RELACIONADAS


21/11/2017 15:21:43
NOTA DE ESCLARECIMENTO

Rua Conselheiro Saraiva, 317 | Vila Ercilia | São José do Rio Preto - SP | Fones: 0xx (17) 3203-0077 | Diretor Presidente - Sergio da Silva Paranhos

Sindicato SETH - Todos os direitos - Desenvolvido por MaquinaWeb Soluções em TI