Últimas notícias »

SINDICATO  DOS  EMPREGADOS
EM TURISMO E HOSPITALIDADE
SÃO JOSÉ DO RIO PRETO E REGIÃO

entre em contato conosco
17 3203.0077
Turísmo 15/5/2018 16:13:11 » Por

Tribo massai tem casas queimadas para beneficiar turismo na Tanzânia, diz grupo dos EUA

Grupo étnico é impedido de acessar área próxima a cratera de Ngorongoro



O think tank americano Oakland Institute denunciou nesta quinta-feira (10) que dezenas de milhares de membros da tribo Massai de uma área próxima a um parque nacional na Tanzânia foram despejados da região para beneficiar o turismo.

O relatório do Instituto denuncia que os massai da região de Loliondo, próximo à área de conservação natural e atração turística que engloba a cratera de Ngorongoro, tiveram suas casas queimadas e têm sido impedidos de acessar a região para pastorear gado e coletar água em poços.

Os massai, presentes no sul do Quênia e em partes da Tanzânia, precisam de terra para pastorear seu gado e manter seu estilo de vida pastoril.

 
Turistas observam animais no Parque Nacional Mikumi, na Tanzânia (Foto: Ben Curtis, File/ AP Photo)

Turistas observam animais no Parque Nacional Mikumi, na Tanzânia (Foto: Ben Curtis, File/ AP Photo)

O relatório cita testemunhas locais que acusam duas empresas que realizam safari na região de prejudicar os massai. Uma delas é a Tanzania Conservation Limited, uma afiliada da Thomson Safaris, sediada nos EUA, que estaria impedindo o acesso deles ao local.

A outra empresa citada é a Ortello, um grupo que organiza viagens de caça para a família real dos Emirados Árabes Unidos, que teria queimado casas. Apesar de ter perdido sua licença no ano passado, a OBC continua ativa na região, de acordo com o think tank americano.

A Thomson Safaris se pronunciou sobre o relatório afirmando que “as terríveis alegações de abuso são simplesmente falsas”. A empresa investe da Tanzânia “de boa fé”, disse seu presidente Rick Thomson em um e-mail enviado à AP nesta quinta.

O Secretário de Turismo da Tanzânia Gaudence Milanzi negou que os massai sejam atacados, afirmando que o governo está trabalhando para melhorar o seu bem-estar ao adotar métodos modernos para o pastoreio de gado.

Preocupações acerca dos massai têm sido levantadas dentro e fora da Tanzânia por grupos como o Grupo Internacional de Direito das Minorias e o Survival International, que já alertou que a tomada de terra “pode significar o fim dos massai”.


NOTÍCIAS RELACIONADAS

Rua Conselheiro Saraiva, 317 | Vila Ercilia | São José do Rio Preto - SP | Fones: 0xx (17) 3203-0077 | Diretor Presidente - Sergio da Silva Paranhos

Sindicato SETH - Todos os direitos - Desenvolvido por MaquinaWeb Soluções em TI