Últimas notícias »

SINDICATO  DOS  EMPREGADOS
EM TURISMO E HOSPITALIDADE
SÃO JOSÉ DO RIO PRETO E REGIÃO

entre em contato conosco
17 3203.0077
Brasil e Mundo 20/9/2018 14:57:33 » Por

Saiba as opções seguras para transportar cães e gatos no carro

Animais de estimação precisam ser acomodados corretamente para evitar acidentes.



 

Por Rayana Lira*, G1 Sorocaba e Jundiaí

 

Atualmente é comum ver animais sendo transportados no colo ou solto pelo carro. No Brasil, 44,3% dos 65 milhões de domicílios possuem pelo menos um cachorro e 17,7% ao menos um gato, segundo os últimos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os números demonstram o quanto os pets são queridos no âmbito familiar. Por isso, é comum que os tutores queiram inclui-los nos passeios em família e nas viagens de carro, por exemplo.

No entanto, o animal de estimação precisa ser acomodado corretamente e de forma segura dentro do veículo para evitar acidentes e multas.

Em busca do bem-estar e segurança do seu dachshund Otávio, que pesa 8 kg, a estudante de 21 anos, Júlia Araújo de Oliveira, de Sorocaba (SP), transporta seu pet em uma cadeira específica para cães de pequeno porte.

"Eu utilizo a cadeirinha com o Otávio desde quando ele tinha um ano. Além de ser prática, já que ele pode entrar no carro sujo de terra ou molhado, que não terá acesso aos bancos, fica mais fácil para limpar. Na cadeirinha, se algo acontecer, ele estará completamente seguro", comenta.

 
Tutora utiliza a cadeirinha específica para transportar Otávio desde quando ele tinha um ano de idade — Foto: Júlia Araújo de Oliveira/Arquivo Pessoal

Tutora utiliza a cadeirinha específica para transportar Otávio desde quando ele tinha um ano de idade — Foto: Júlia Araújo de Oliveira/Arquivo Pessoal

Já a gerente administrativa Ana Paula Schmidt, de 37 anos, transporta seu chihuahua Jhoe de um modo que não é o mais recomendado.

“No começo ele era transportado na caixa, mas como minha filha ficava com ele no banco de trás, ela começou a tirá-lo da caixa e agora o Jhoe não acostuma mais, quando tentamos colocá-lo, ele começa a chorar, fica inquieto e ficamos com dó”, conta.

 
Chihuahua Jhoe pesa 3,8 kg e está acostumado a viajar de carro sem proteção — Foto: Ana Paula Schmidt/Arquivo Pessoal

Chihuahua Jhoe pesa 3,8 kg e está acostumado a viajar de carro sem proteção — Foto: Ana Paula Schmidt/Arquivo Pessoal

 

Opções de transporte

 

Segundo o veterinário Enore Augusto Massoni, presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria Veterinária e clínico de pequenos animais, animais exóticos e silvestres, de Sorocaba (SP), existem várias opções de transporte seguras para o pet, tudo dependerá do comportamento do animal e do seu porte físico. Confira as opções:

Cinto de segurança canino: Essa opção se assemelha bastante com o cinto de segurança do carro para pessoas. Mantém o animal preso no local, mas ainda com certa liberdade, oferecendo segurança para o motorista e, em caso de acidente, o cinto protege o animal de um arremesso ou impacto com o próprio veículo decorrente da colisão.

O cinto é fácil, prático e de rápida instalação, podendo ser deixado no porta luvas do carro, pois não ocupa muito espaço.

Caixa de transporte: Segundo o veterinário, esse é um dos métodos mais seguros e indicados. O animal deve ser colocado na caixa de transporte com a alça no cinto de segurança prendendo-a. É importante observar se o animal aceita bem a condição de ficar preso na caixinha. A opção é a mais indicada para gatos também, pois os felinos são muito suscetíveis ao estresse por mudanças de ambiente associadas ao transporte.

Cadeira de carro: Uma boa opção para cães menores e que não aceitam ficar presos em caixinhas de transporte. A cadeirinha é uma espécie de cesto que fica preso ao cinto de segurança com uma presilha para prender a coleira. O animal fica seguro dentro da caixa, não circulando pelo carro e correndo o risco de causar um acidente, atrapalhando o motorista. E em caso de acidente, ela mantém o animal dentro do cesto em segurança.

Grade divisória: A grade divisória é essencial para cães de grande porte. Evita que eles distraiam o motorista no banco da frente, no entanto, ela não funciona sozinha. O item deve ser associado ao cinto de segurança, senão o animal fica solto no banco de trás. Sendo utilizada em conjunto é bastante segura.

 
Cinto de segurança é a opção de transporte escolhida para transportar o cão Bacon pelo veterinário Enore — Foto: Enore Augusto Massoni/Divulgação

Cinto de segurança é a opção de transporte escolhida para transportar o cão Bacon pelo veterinário Enore — Foto: Enore Augusto Massoni/Divulgação

 

Ansiedade no passeio

 

Para os cães e gatos que ficam ansiosos e inquietos durante a viagem, o indicado é acostumá-los a utilizar a caixa de transporte no dia a dia, como casinha ou caminha.

De acordo com o veterinário Enore, quando o animal não se adapta ao transporte é necessário uma visita ao veterinário para detectar um possível desvio de comportamento.

"O uso de ansiolíticos e outros métodos de tratamentos alternativos como florais, acupuntura e cromoterapia podem auxiliar muito na adaptação do animal a esse tipo de condição, tornando o momento do transporte mais tranquilo", explica.

 
Médico veterinário Enore Augusto Massoni com o seu cão Bacon — Foto: Enore Augusto Massoni/Divulgação

Médico veterinário Enore Augusto Massoni com o seu cão Bacon — Foto: Enore Augusto Massoni/Divulgação

 

Legislação

 

Segundo a advogada Sabrina de Camargo Ferraz, especialista em Direito Tributário e Ciências Penais e integrante da Comissão de Defesa dos Direitos dos Animais na OAB de Sorocaba nos anos de 2013 e 2014, no Código de Transito Brasileiro (CTB) não há uma proibição expressa sobre transportar animais nos veículos, exceto em casos onde a segurança do motorista e do pet seja colocada em risco.

 

"Se o animal transportado tirar a atenção do condutor, será aplicada multa de R$ 88,38 e 3 pontos na CNH, por infração leve", explica a especialista.

 

O Código estabelece, ainda, como infração em seu artigo 252, inciso II, a conduta de “dirigir transportando animais a sua esquerda ou entre os braços e pernas”. Portanto, o motorista que for flagrado nessas condições perderá 4 pontos na carteira, por infração média, e aplicação de multa de R$ 130,16.

Outra atitude que deve ser evitada pelo condutor é o transporte de animais em caçambas, segundo o artigo 235 do Código, a multa é de R$ 195,23, infração grave, além de 5 pontos na carteira de motorista e retenção do veículo, como medida administrativa aplicada até a regularização da situação.

 
Advogada Sabrina de Camargo Ferraz é especialista em Direito Tributário e Ciências Penais do escritório Ogusuku & Bley — Foto: Sabrina de Camargo Ferraz/Arquivo Pessoal

Advogada Sabrina de Camargo Ferraz é especialista em Direito Tributário e Ciências Penais do escritório Ogusuku & Bley — Foto: Sabrina de Camargo Ferraz/Arquivo Pessoal

 

Cuidados na viagem

 

 

  • Evite alimentar o animal até quatro horas antes da viagem;
  • Priorize viagens no período da manhã, noite ou em períodos onde as temperaturas sejam amenas;
  • Em viagens de longa duração, é necessário se planejar para efetuar paradas no meio do caminho, para que o pet consiga fazer suas necessidades;
  • Ar-condicionado com temperatura ambiente é o ideal para o pet. Temperaturas baixas contribuem para que o animal desenvolva problemas respiratórios.

 

*Colaborou sob a supervisão de Fernanda Szabadi.

 

 


NOTÍCIAS RELACIONADAS

Rua Conselheiro Saraiva, 317 | Vila Ercilia | São José do Rio Preto - SP | Fones: 0xx (17) 3203-0077 | Diretor Presidente - Sergio da Silva Paranhos

Sindicato SETH - Todos os direitos - Desenvolvido por MaquinaWeb Soluções em TI